O milagre da dedicação

Vasco 2x1 Cruzeiro (Campeonato Brasileiro 1974)

Contém material publicado na Placar nº 229 de 9 de agosto de 1974 e no Jornal dos Sports de 2 de agosto de 1974.

Qual seria o segredo do inesperado título do Vasco?

O futebol brasileiro ressurgiu com o Vasco nas horas de decisão: além da ténica, o jogo corrido e limpo. E mais a garra. Foi assim que ele chegou a final. sem timidez, sem retrancas absurdas. Voltado para o gol, com o artilheiro Roberto.

(O milagre da dedicação; Placar - Aristélio Andrade e Luiz Arthur Turíbio)

A história da grande conquista do Campeonato Brasileiro de 1974 pelo Vasco é uma sucessão de vitórias consideradas impossíveis. Depois de uma campanha regular nas diversas fases de classificação, mesmo tendo que suportar sucessivos desfalques no seu elenco, o Vasco chegou em ascensão ao quadrangular final, como vencedor de um grupo do qual também participavam Corinthians, Atletico-MG, Vitória-BA, Operario-MT e Nacional-AM.

Os vencedores dos outros três grupos foram Santos, Cruzeiro e Internacional, todos temíveis adversários. O Santos, além de Pelé, tinha Cejas, Marinho Peres e Edu. Clodoaldo ainda se recuperava da contusão que havia impedido a sua participação na Copa de 1974. O Cruzeiro, sem dúvida o melhor em termos de talentos individuais, contava com Nelinho, Perfumo, Piazza, Zé Carlos, Dirceu Lopes (que injustiça não ter ido à Copa) e Palhinha. O Internacional tinha o embrião do grande time que seria o bicampeão brasileiro nos dois anos seguintes, com Manga, Falcão, Paulo Cesar Carpeggiani e Valdomiro.

Na abertura do quadrangular, o Vasco venceu o Santos por 2 a 1 no Maracanã. O jogo acabou sendo dificil, pois, saindo na frente com um gol de Luiz Carlos, o Vasco tomou o empate numa cobrança de falta por Pelé e, apesar de dominar o jogo, só foi desempatar a quatro minutos do fim com um gol de Roberto.

O segundo jogo seria no Mineirão, contra o favorito Cruzeiro, que vinha de empatar com o Internacional. O repórter José Trajano, da revista Placar,  escreveu:

Nenhum cruzeirense acreditava em outro resultado que não fosse a vitória. Mas o Vasco, mesmo depois de perder o primeiro tempo por 1 a 0, conseguiu empatar [com um gol de Alfinete] e, no último minuto, o Cruzeiro começava a perder.

Tudo porque, a partir de uma decisão contestada de Sebastião Rufino - ele não marcou um suposto pênalti em Palhinha -, o dirigente Carmine Furletti invadiu o campo para agredir o juiz e o técnico Hílton Chaves fez o mesmo com um bandeirinha. O erro teria as mais graves repercussões a partir do instante em que o Vasco, depois de empatar com o Inter, no Maracanã, viu-se obrigado a disputar uma partida-extra com o Cruzeiro para chegar ao título. De acordo com o regulamento, o jogo seria no Mineirão.

De fato, teria bastado ao Vasco vencer o Internacional no Maracanã para sagrar-se campeão, independentemente do resultado de Santos x Cruzeiro (disputado à mesma hora e que acabou sendo vencido pelo time mineiro). Com menos de 20 minutos, o Vasco já vencia por 2 a 0, gols de Roberto e Zanata. Ao fim do primeiro tempo, o Vasco estava com uma tremenda pinta de campeão. No segundo tempo, todavia, relaxou e complicou o jogo fácil, levando dois gols bobos nos últimos 20 minutos.

Com esse empate, o Vasco terminou empatado com o Cruzeiro e teria que ir novamente ao Mineirão para uma partida-extra. Mas o artigo 59 do Regulamento da competição, conhecido por todos os clubes desde antes do seu início, dizia claramente o seguinte:

Quando houver tentativa de agressão ou agressão, por parte do público ou de qualquer dirigente, associado ou empregado das associações locais, ao árbitro, seus auxiliares, dirigentes, empregados ou jogadores da associação visitante, o Departamento de Futebol da CBD reestruturará a tabela do Campeonato, invertendo o mando de três dos jogos subsequentes da associação local.

Ainda do artigo da Placar:

O Vasco entrou com um protesto junto à CBD pela manutençãao do jogo em Belo Horizonte. O local teria que ser mudado pela infração cometida por Carmine Furletti e Hílton Chaves. O Cruzeiro, já na defensiva, entrou com um recurso contra o protesto do Vasco. A CBD resolveu então não decidir coisa alguma, ou melhor, transferiu qualquer decisão para depois do julgamento de Carmine Furletti e Hílton Chaves. Ficou evidente para os homens do Cruzeiro que uma decisão tomada após o julgamento dos incidentes de Belo Horizonte levaria o jogo para o Rio - como exigia o Vasco, amparado pelo Regulamento. Foi quando os dirigentes do Cruzeiro resolveram jogar no Maracanã - o Vasco vencia mais uma batalha.

No dia seguinte da decisão, o Jornal dos Sports publicava na sua primeira página (JPEG, 83k):

CRUZEIRO PERDEU TAMBÉM NO CAMPO: 2 A 1. GB CAMPEÃ DO BRASIL

VASCO MACHÃO, UAI

O restante da página apresentava uma sequência de fotos do histórico gol do título, marcado por Jorginho Carvoeiro.

Na última página, a reportagem sobre a partida:

Depois de uma tremenda guerra de nervos, que durou 25 minutos, tempo no qual as duas equipes recusaram-se a entrar em campo na frente, Vasco e Cruzeiro entraram praticamente juntos. Os vascaínos (JPEG, 45k) com seu uniforme todo preto, constrastando com o branco usado pela equipe mineira.

O Vasco deu flores e um cartão de prata ao Cruzeiro. Também coube ao representante carioca a saída de jogo. Mas do outro lado estava a patota de Dirceu Lopes, cheia de qualidade individual e disposição. E exatamente por isso, foi o Cruzeiro que mandou em campo, nos primeiros 10 minutos.

Caracterizou-se, então, a eficiência da defesa carioca, outra vez em noite de alta segurança, reforcada com a volta de Moisés e Alfinete. O jogo estava nervoso, mas o Vasco contra-atacava com real perigo. A rigor, o Cruzeiro teve a bola mais tempo dominada, mas foi o Vasco que ameaçou com maior intensidade.

Enquanto Andrada a rigor não foi empenhado, o goleiro Vítor teve que fazer uma série de difíceis defesas. Aos 6 e 7 minutos, o Vasco teve duas chances, com Jorginho e Roberto. Muito bem no meio-campo, firme na defesa e insinuante no ataque, o Vasco começou a aparecer em campo.

E aos 14 minutos, conseguia o seu primeiro gol, na cobrança de uma falta, por Zanata, na direita. A bola veio para Fidélis, que chutou com força para o meio da área. Na confusão, a bola estourou em Darci Meneses e sobrou para Ademir, que bateu de bico, sem chances para Vítor.

O Vasco estava melhor em campo, apesar do nervosismo de alguns jogadores, especialmente Ademir, que acabou levando um cartão amarelo, aos 20 minutos. Quase que Zanata, aos 24 minutos, repetia o lance do segundo gol contra o Internacional, chutando de longe e obrigando Vítor a um esforço muito grande.

Aos 27 minutos, Jorginho mandou a bola ao barbante, mas o lance estava paralisado, pela marcação de impedimento do atacante. Palhinha reclamou aos 34 minutos e recebeu, também, o seu cartão amarelo.

O primeiro tempo terminou com a nítida superioridade vascaína. Sua torcida vibrava no Estádio Mário Filho, mas no ar havia o respeito ao time mineiro e a lembrança do empate de domingo, quando o Vasco saiu com 2 a 0 ao seu favor e acabou cedendo o 2 a 2.

O Cruzeiro voltou com toda a disposição no segundo tempo, como já era esperado, e aos 3 minutos quase empatou, quando Zé Carlos chutou errado. Mas o Vasco continuava firme, apesar do susto que sofreu quando Andrada sentiu a coxa direita.

Aos 14, um minuto após perder o empate numa cabecada de Roberto Batata, o técnico Hilton Chaves colocou Joãozinho no lugar de Palhinha, mexendo em todo o ataque mineiro.

O Vasco não se limitava a defender somente. Pelo contrário, buscava o segundo gol. E quase que Roberto conseguiu, aos 17 minutos. Neste período, a torcida carioca sofreu bastante, vendo Andrada e Moisés sentindo visivelmente em campo.

E justamente por estar sem condições é que Andrada sofreu o gol de empate, aos 19 minutos, quando Nelinho chutou violentamente de fora da área. Foi uma falha capital para o Vasco.

Mas o Vasco estava disposto a não deixar escapar a sua segunda chance. Nas arquibancadas, sua torcida confiava no time e começou a empurrá-lo, gritando muito. E o sofrimento não iria demorar muito, pois aos 36 minutos, Jorginho Carvoeiro explodiu o Estádio Mário Filho de alegria vascaína.

A jogada começou com Alcir, que lançou Jorginho em excelente posição. O atacante ainda trombou com Vítor, mas a bola sobrou livre para o ponta direita, que bateu a meia altura. Era o gol do desempate (RA, 133k). O gol do Campeonato Nacional. No Estádio Mario Filho, mais de 100 mil pessoas faziam um coro só: Vascoooo.

Antes mesmo que Armando Marques apitasse o final do jogo, a torcida vascaína explodiu e o Mário Filho viveu um dos seus maiores momentos de vibração. E durante os seguintes 20 minutos, os torcedores mantiveram-se todos em seus lugares, aos gritos de casaca, enquanto os campeões brasileiros davam a tradicional volta olímpica e Alcir subia a Tribuna de Honra, onde recebeu a Taça de Prata das mãos do Presidente Otávio Pinto Guimarães.

VASCO 2 X 1 CRUZEIRO

Times: VASCO - Andrada; Fidélis, Miguel, Moisés e Alfinete; Alcir, Zanata e Ademir; Jorginho, Roberto e Luiz Carlos. Técnico: Mário Travaglini. CRUZEIRO - Vítor; Nelinho, Perfumo, Darci Meneses e Vanderlei; Piazza, Zé Carlos e Dirceu Lopes; Roberto Batata, Palhinha e Eduardo. Técnico: Hílton Chaves.
Local: Estádio Mário Filho.
Juiz: Armando Marques, auxiliado por Oscar Scolfaro e José Favile Neto.
Renda: Cr$ 1.413.281,50, com 112.933 pagantes. (Ingresso: JPEG, 23k)
1º tempo: Vasco 1 a 0, gol de Ademir aos 14 minutos.
Final: Vasco 2 x Cruzeiro 1, gols de Nelinho, aos 19, e Jorginho, aos 33.
Substituições: No Cruzeiro, Joãozinho na vaga de Palhinha e Baiano no lugar de Eduardo.

Atuações pelo Vasco:

ANDRADA - não teve muito trabalho no primeiro tempo. Depois, quando foi mais exigido, fez algumas boas defesas, mas bobeou no gol do Cruzeiro, pois o chute de Nelinho era defensável.

FIDÉLIS - um dos destaques do time. Firme na marcação e incansável no apoio do ataque, levando sempre a equipe para a frente.

MIGUEL - merece os maiores elogios pela segurança apresentada em todo o jogo. Está em excelente forma e pelo seu setor muito pouco os jogadores adversários conseguiram.

MOISÉS - perfeito no primeiro tempo, caindo um pouco de produção no final, talvez por ter sentido a perna esquerda no intervalo.

ALFINETE - excelente na marcação, não dando vantagem aos adversários. No apoio pareceu bastante consciente, somente avançando quando podia.

ALCIR - plantado a frente dos zagueiros, foi um dos melhores do time. Atuou com seriedade, mesmo no período de pressão do Cruzeiro.

ZANATA - pode ter demorado um pouco, mas o que ele realizou na partida de ontem justificou inteiramente o título de "Zanata-74", que ele recebeu no início de sua carreira. Excelente, em todos os sentidos. Não apenas o melhor do Vasco, mas o destaque da partida.

ADEMIR - com sua habilidade, confundiu várias vezes os adversários. Além disso, esteve presente em todas as jogadas de área e marcou um bonito gol.

JORGINHO - outro que merece os maiores elogios. Fez jogadas sensacionais pela ponta-direita, além de combater e marcar o segundo gol.

ROBERTO - não teve chance de marcar o seu gol, por causa da marcação, mas nunca deixou de dar trabalho aos adversários dentro da área.

LUIZ CARLOS - o segundo melhor do time. Foi agressivo quando pôde e incansável na marcação aos adversários, quando recuava para combater.

O destaque mineiro foi Nelinho, que fez o gol e muito mais.

Placar  arremata:

O Vasco mereceu? O Vasco é melhor time do que o Cruzeiro? Merecer, mereceu muito. E não se diga que o Vasco é um timinho. Andrada foi da Seleção Argentina, Peres, da Portuguesa. Fidélis, Moisés, Miguel, Zanata e Luiz Carlos já foram cogitados para a Brasileira, alguns até já jogaram nela. Roberto é o artilheiro do Brasileiro. Mais: Para chegar ao título, no transcorrer da disputa o Vasco venceu e empatou com o melhor time gaúcho, o Inter, venceu o melhor time paulista, o Santos, empatou duas vezes - em Salvador - com o melhor time baiano, o Vitória, e venceu e empatou com o melhor time mineiro, o Cruzeiro. Quanto a ser melhor ou pior que o Cruzeiro, um time não reflete apenas a qualidade ténica de alguns de seus jogadores, mas a soma de uma série de fatores - técnicos e emocionais - que o condicionam dentro e fora de campo. E o Vasco foi superior ao Cruzeiro na decisão.