Josh Wander e Steve Pasko teriam sido afastados dos quadros do 777 Football Group, com Don Dransfield assumindo a gestão
Sexta-feira, 10/05/2024 - 17:51
𝘼𝙣𝙖𝙡𝙞𝙨𝙖𝙑𝙖𝙨𝙘𝙤 @AnalisaCRVG
Josh Wander e Steve Pasko foram afastados do quadro de funcionários da 777 Partners Sports Group.

Quem comanda a divisão esportiva da empresa norte-americana agora é Don Dransfield, que já fez parte do Grupo City.

📰 @JosimarFotball



Fonte: X AnalisaVasco


Out of the Blues

If all the talk this week has been about Everton potentially having to go into administration as a result of doubts over their takeover by 777 Partners, it is actually the Miami firm itself which is fighting for its future having called in the receivers, as confirmed in an internal email signed by owners Josh Wander and Steven Pasko, which Josimar has seen, and which was shared with staff on Thursday.

Ian Ratner and Ron Glass of B. Riley Advisory Services have been brought in "to take on governance roles within our organisation". What these roles will be with 777 Partners may be inferred by their past records. Mr Ratner lists "bankruptcy advisory services" and "bankruptcy litigation" among his areas of expertise, while Mr Glass, who has also worked as a liquidating agent and a receiver, quotes "bankruptcy proceedings" and "crisis management" in his.

Another B. Riley executive, Mark Shapiro, has been called in to oversee the company's operations as ‘interim Chief Operating Officer'. Mr Shapiro too has a wealth of experience in "restructuring" and bankruptcy proceedings .

Josimar understands that Ron Glass was onsite at the offices of 777 Partners in Miami on Friday shortly after the news of his involvement broke, and that both Wander and Pasko have already been removed from the board of the entity which runs all of their football operations. Nutmeg Acquisitions LLC, a Delaware-based company which controls Red Star FC, Genoa CFC, Standard de Liège, Hertha Berlin and Vasco da Gama as well as 777's minority shareholding in Sevilla FC and Melbourne Victory (*), is now being run by operating partner Don Dransfield, formerly of City Football Group.

Such dramatic news will not come as a great surprise to Josimar readers, but the suddenness with which the sprawling empire of companies operated by 777 Partners appears to be crumbling still comes as a shock. In fact, it is important to note here just how little is left of that empire. Wander and Pasko have long claimed that 777 Partners operated 60 companies in a variety of sectors. It does so no longer.

The first domino to fall was the group's Australian budget airline Bonza, which fell into administration after its fleet of planes was repossessed by AIP Capital, until recently a 777 subsidiary itself before it became part of a larger entity controlled by Kenneth King of A-CAP. As part of this deal, 777 lost control of all of its aircraft leasing operations and the rights to its remaining purchase order with Boeing, and its name promptly disappeared from the aerospace manufacturer's order book. 777 Partners also has a Canadian budget airline on its books called Flair. But in another deal involving King, it has been forced to reduce its shareholding from 25 per cent to less than ten. All this is significant because until recently, King was 777's biggest backer and only remaining source of funding. That all changed when the firm's Bermuda-based reinsurer 777re suffered a credit ratings downgrade in February of this year. As a result, King and the insurance companies under the A-CAP umbrella were forced to "disinvest" from 777 Partners. But King, who has lent over 2.5 billion US dollars to the ailing group, is also under scrutiny from regulators looking into his insurance business in the USA.

So what exactly is left of 777 Partners? The football clubs, though loss-making and mired in debt, remain under the firm's control. So do the structured settlement businesses in which they first made their name. There is a lease-to-own company based in Tampa, Florida which offers customers an alternative to traditional credit, a litigation finance division which has itself been the subject of lawsuits, some fintech investments, and stakes in the British Basketball League and its flagship franchise the London Lions, both of which are loss-making. In short, not much of the empire which once claimed to manage 10 billion dollars in assets remains.

The upshot of all this is that the attempted takeover of Everton by 777 Partners, which current owner Farhad Moshiri had agreed on back in September 2023, is utterly dead in the water, and the financial picture of the firm as a whole remains precarious.

Earlier this week, a 777 Partners insider told Josimar that "no more money [was] coming in" Рor going out either, as is exemplified by the dire situation of Standard de Li̬ge, which, according to multiple Belgian sources, has stopped processing all but the most essential payments and now faces the prospect of repossession, following complaints filed in Li̬ge by the club's former owner Bruno Venanzi and the shareholders of the Immobili̬re du Standard, the company which had sold the stadium to 777. Neither had received the second tranches of the payments 777 was bound to make to them by 20 April. A judge will decide whether to seize 777's Belgian assets or not by 15 May. Ultras who had been demonstrating against the firm's involvement with their club for months came in their hundreds to the club's training ground on Friday 10 May and prevented their players from going to the Stade de Sclessin, where they were supposed to play against Westerlo that evening. The match was cancelled as a result of their action.

Genoa CFC, which still is in debt to the tune of 210 million euro despite getting a 65 percent tax rebate from the Italian Inland Revenue, is also said to be going through a delicate period. The doyen of calcio announced it would not apply for a UEFA licence for the 2024-25 season. "We considered whether to ask for the licence until the last moment", Genoa's CEO Andres Blasquez said. "We preferred not to when we knew we had no chance of taking part in [UEFA competitions], avoiding unnecessary sacrifices. We'll get the licence next season." Another explanation was provided by a local source: in order to obtain the UEFA licence, Genoa would have had to pay what it owed in transfer fees to other European clubs by mid-March and was apparently not in a position to do so. Genoa CFC must also pay for its Serie A licence by 15 June at the latest.

The shockwaves will also be felt in Australia, where 777 Partners were set to increase their shareholding in Melbourne Victory FC: the club's main sponsor was Bonza.

It looks as if the straw which finally broke the camel's back was the filing of a complaint for fraud and double-pledging of 350 million dollars of assets by one of 777 Partners' main lenders, Leadenhall Capital. That lawsuit accused Wander and Pasko of "operating a giant shell game at best and an outright Ponzi scheme at worst, that takes money from investors and lenders and shuffles it around to various money-losing alter egos in the enterprise" and that Everton is merely "the latest shiny object of Wander's fraudulent scheme." But at some point in any shell game, the shells have to stop moving. It appears we have reached that point for 777 Partners.

777 Partners, Ian Ratner and Ron Glass were contacted for comment.

(*) Nutmeg Acquisitions LLC controls Red Star through 777 Holding Entity France, Genoa CFC and its Sevilla shares via Sevillistas Unidos 2020 SL, Vasco da Gama through 777 Carioca LLC, Hertha and Standard through 777 SDL BV, and Melbourne Victory through 777 MV LLC.

Fonte: Josimar Football


Fora do azul

Se toda a conversa esta semana foi sobre a possibilidade de o Everton ter que ir para a administração como resultado de dúvidas sobre sua aquisição pelo 777 Partners , na verdade é a própria empresa de Miami que está lutando pelo seu futuro tendo chamado os administradores, conforme confirmado em um e-mail interno assinado pelos proprietários Josh Wander e Steven Pasko, que Josimar viu e que foi compartilhado com a equipe na quinta-feira.

Ian Ratner e Ron Glass da B. Riley Advisory Services foram contratados "para assumir funções de governança dentro da nossa organização". Quais serão essas funções com os Parceiros 777 pode ser inferido por seus registros anteriores. Ratner lista "serviços de consultoria de falências" e "contencioso de falências" entre as suas áreas de especialização, enquanto Glass, que também trabalhou como agente liquidante e administrador judicial, cita "processos de falência" e "gestão de crises" nas suas.

Outro executivo da B. Riley, Mark Shapiro, foi chamado para supervisionar as operações da empresa como "Diretor Operacional interino". O Sr. Shapiro também tem uma vasta experiência em processos de "reestruturação" e falência.

Josimar entende que Ron Glass esteve nos escritórios do 777 Partners em Miami na sexta-feira, logo após a notícia de seu envolvimento, e que tanto Wander quanto Pasko já foram afastados do conselho da entidade que administra todas as suas operações de futebol. A Nutmeg Acquisitions LLC, uma empresa sediada em Delaware que controla o Red Star FC, o Genoa CFC, o Standard de Liège, o Hertha Berlin e o Vasco da Gama, bem como a participação minoritária do 777 no Sevilla FC e no Melbourne Victory (*), é agora gerida por operadores parceiro Don Dransfield, ex-City Football Group.

Notícias tão dramáticas não serão uma grande surpresa para os leitores de Josimar , mas a rapidez com que o vasto império de empresas operadas pela 777 Partners parece estar desmoronando ainda é um choque. Na verdade, é importante notar aqui quão pouco resta desse império. Wander e Pasko afirmam há muito tempo que a 777 Partners operava 60 empresas em diversos setores. Isso não acontece mais.

O primeiro dominó a cair foi a companhia aérea australiana Bonza, do grupo, que caiu na administração depois que sua frota de aviões foi retomada pela AIP Capital, até recentemente uma subsidiária do 777 antes de se tornar parte de uma entidade maior controlada por Kenneth King da A-CAP. . Como parte deste acordo, o 777 perdeu o controle de todas as suas operações de leasing de aeronaves e os direitos ao seu pedido de compra restante com a Boeing, e seu nome desapareceu imediatamente da carteira de pedidos do fabricante aeroespacial. A 777 Partners também tem uma companhia aérea canadense de baixo custo chamada Flair. Mas num outro acordo envolvendo King, foi forçado a reduzir a sua participação accionista de 25% para menos de dez. Tudo isto é significativo porque, até recentemente, King era o maior financiador do 777 e a única fonte restante de financiamento. Tudo isso mudou quando a resseguradora 777re, sediada nas Bermudas, sofreu um rebaixamento de classificação de crédito em fevereiro deste ano. Como resultado, King e as companhias de seguros sob a égide da A-CAP foram forçadas a "desinvestir" da 777 Partners. Mas King, que emprestou mais de 2,5 mil milhões de dólares americanos ao grupo em dificuldades, também está sob escrutínio dos reguladores que analisam o seu negócio de seguros nos EUA.

Então, o que resta exatamente do 777 Partners? Os clubes de futebol, embora deficitários e endividados, permanecem sob o controlo da empresa. O mesmo acontece com os negócios de liquidação estruturada nos quais eles fizeram seu nome pela primeira vez. Há uma empresa de arrendamento mercantil com sede em Tampa, Flórida, que oferece aos clientes uma alternativa ao crédito tradicional, uma divisão de financiamento de litígios que já foi objeto de ações judiciais, alguns investimentos em fintech e participações na Liga Britânica de Basquete e seu carro-chefe franquia os London Lions, ambos deficitários. Em suma, não resta grande parte do império que outrora afirmava gerir 10 mil milhões de dólares em activos.

O resultado de tudo isso é que a tentativa de aquisição do Everton pela 777 Partners, com a qual o atual proprietário Farhad Moshiri havia concordado em setembro de 2023, está totalmente morta e a situação financeira da empresa como um todo permanece precária.

No início desta semana, um membro do 777 Partners disse a Josimar que "não [estava] entrando mais dinheiro" – nem saindo, como é exemplificado pela terrível situação do Standard de Liège , que, de acordo com múltiplas fontes belgas, parou de processar todos os pagamentos, exceto os mais essenciais, e agora enfrenta a perspectiva de reintegração de posse, após reclamações apresentadas em Liège pelo ex-proprietário do clube, Bruno Venanzi, e pelos acionistas da Immobilière du Standard, a empresa que vendeu o estádio para 777. Nenhum dos dois recebeu o segundo parcelas dos pagamentos que 777 lhes devia fazer até 20 de Abril. Um juiz decidirá se confiscará ou não os bens belgas do 777 até 15 de maio. Os Ultras, que há meses se manifestavam contra o envolvimento da empresa com seu clube, chegaram às centenas ao campo de treinamento do clube na sexta-feira, 10 de maio, e impediram seus jogadores de irem ao Stade de Sclessin, onde deveriam jogar contra o Westerlo naquela noite. A partida foi cancelada como resultado de sua ação.

O Genoa CFC, que ainda tem uma dívida de 210 milhões de euros, apesar de ter obtido uma redução fiscal de 65 por cento da Receita Federal italiana, também está a atravessar um período delicado. O decano do calcio anunciou que não iria solicitar uma licença da UEFA para a temporada 2024-25. "Nós consideramos se deveríamos pedir a licença até o último momento", disse o CEO do Genoa, Andres Blasquez. "Preferimos não o fazer quando sabíamos que não tínhamos hipóteses de participar [nas competições da UEFA], evitando sacrifícios desnecessários. Obteremos a licença na próxima temporada." Outra explicação foi fornecida por uma fonte local: para obter a licença da UEFA, o Génova teria de pagar o que devia em taxas de transferência para outros clubes europeus até meados de Março e aparentemente não estava em condições de o fazer. O Genoa CFC também deverá pagar a licença da Série A até 15 de junho, o mais tardar.

As ondas de choque também serão sentidas na Austrália, onde 777 Partners pretendiam aumentar a sua participação no Melbourne Victory FC: o principal patrocinador do clube era o Bonza .

Parece que a gota d'água que finalmente fez transbordar o copo foi a apresentação de uma queixa por fraude e penhora dupla de 350 milhões de dólares em activos por um dos principais credores da 777 Partners, a Leadenhall Capital. Esse processo acusou Wander e Pasko de "operar um jogo gigante, na melhor das hipóteses, e um esquema Ponzi, na pior, que tira dinheiro de investidores e credores e o transfere para vários alter egos perdedores de dinheiro na empresa" e que Everton é apenas "o mais recente objeto brilhante do esquema fraudulento de Wander." Mas em algum momento de qualquer jogo de conchas, as conchas precisam parar de se mover. Parece que atingimos esse ponto para 777 Parceiros.

777 Partners, Ian Ratner e Ron Glass foram contatados para comentar .

(*) Nutmeg Acquisitions LLC controla Red Star através da 777 Holding Entity France, Genoa CFC e suas ações do Sevilla através do Sevillistas Unidos 2020 SL, Vasco da Gama através da 777 Carioca LLC, Hertha e Standard através da 777 SDL BV, e Melbourne Victory através da 777 MV LLC .

Fonte: Josimar Football/Tradução Google